Loading...

Visão de futuro em prol da saúde


A história do Cristália merece ser contada, por reunir empreendedorismo, pesquisa e inovação. Em 1969 um grupo de médicos fundou a Clínica de Repouso de Itapira, ou Clínica Cristália, no interior de São Paulo. E o laboratório foi criado justamente para suprir as necessidades dos pacientes. Rapidamente o excedente começou a ser comercializado.

Foi justamente no segmento de Psiquiatria, raiz de sua fundação, que o Cristália realizou as suas primeiras inovações. Em 1976, ao produzir o haloperidol - um poderoso antipsicótico - tirou das mãos de uma multinacional o monopólio do produto. Com isso, reduziu seu preço e passou a vendê-lo para a Central de Medicamentos do Ministério da Saúde, fazendo com que chegasse a milhares de brasileiros.

Líder em anestesias

Depois de lançar medicamentos de uso psiquiátrico, o Cristália voltou suas atenções para a Anestesia. Hoje líder em anestésicos e narcoanalgésicos, é responsável pelo abastecimento de 95% dos hospitais brasileiros. É também a maior produtor de anestésicos da América Latina.

A empresa produz os quatro anestésicos inalatórios mais consumidos no mundo, assim como os três principais anestésicos de bloqueio. É também o maior fabricante de dois dos relaxantes musculares mais utilizados e de todos os narcoanalgésicos disponíveis, como morfina meperidina.

Outro produto especialmente importante para a anestesiologia brasileira é o Dantrolen, o único agente que combate a principal preocupação do anestesiologista: a hipertermia maligna. Depois de importar o medicamento, o Cristália passou a fabricá-lo, disponibilizando-o para hospitais de todo o país.

Primeiro a realizar a cadeia completa de um medicamento

O laboratório não parou mais de inovar. Tanto que, em 2006, conseguiu a patente do carbonato de lodenafila, princípio ativo do Helleva, medicamento que foi marco de pesquisa, desenvolvimento e inovação, tanto para o laboratório quanto para a indústria farmacêutica nacional. Helleva foi colocado no mercado após sete anos de pesquisas e é o primeiro fármaco de origem sintética desenvolvido integralmente no Brasil, desde a concepção da molécula até produto final. É a quarta molécula original criada no mundo inteiro para tratamento da disfunção erétil.  O fármaco já foi patenteado nos Estados Unidos, Europa e Hong Kong. Em 2015 começou a ser exportado para o México.

Primeira Planta Privada de Biotecnologia Anaeróbicos do país

Em 2014 o Brasil mostrou ao mundo que é capaz de produzir medicamentos biotecnológicos de ponta, com tecnologia nacional. Em 3 de novembro daquele ano, o Cristália conquistava o CBPF (Certificado de Boas Práticas de Fabricação) para Insumos Farmacêuticos Ativos Biológicos. Após anos de pesquisas, a planta de Biotecnologia Anaeróbicos, instalada no Complexo Industrial de Itapira (SP) e inaugurada no mesmo ano, recebia o sinal verde para iniciar a produção do IFA Colagenase animal-free, desenvolvido verticalmente pelo laboratório com pesquisa científica 100% brasileira, que, pouco tempo depois, seria lançada mundialmente.

Realização de um sonho

A produção da Colagenase animal-free Cristália, entre tantas outras inovações criadas pela companhia, é a realização de um sonho iniciado há 46 anos. De um pequeno laboratório para a produção de medicamentos psiquiátricos, o Cristália transformou-se no maior e mais completo Complexo Industrial Farmacêutico, Farmoquímico, Biotecnológico e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do País.

Com capital 100% brasileiro, já conquistou 105 patentes nacionais e internacionais e é pioneiro, no Brasil, na realização da cadeia completa de um medicamento, desde a concepção da molécula até o medicamento que chega ao paciente.

Complexo Industrial de Itapira

Complexo Industrial de Itapira


Hoje, o Complexo Industrial de Itapira possui uma planta Farmoquímica, que produz Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs) para o Cristália e exportação; duas plantas Farmacêuticas; uma unidade exclusiva para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação; uma unidade de Citostáticos; e uma unidade de Biotecnologia e uma de Biotecnologia Anaeróbicos, a primeira fundada em 2013 e a segunda fundada em 2014.

A planta Farmoquímica Oncológica, voltada para a produção de IFAs para o tratamento do câncer, será inaugurada no 2º semestre de 2018.

Pioneirismo em medicamentos biológicos



A construção da planta Industrial de Biotecnologia permitiu a produção, pela primeira vez no País, do hormônio do crescimento humano (somatropina); do anticorpo monoclonal trastuzumabe, para o tratamento do câncer de mama; e da proteína de fusão etanercept, para o combate à artrite reumatoide e psoríase.

Já na planta de Biotecnologia Anaeróbicos é produzida a enzima Colagenase animal-free. 

A força de trabalho do Cristália conta com cerca de 5.200 colaboradores, considerando os funcionários do Laboratório e das empresas coligadas, que compartilham a visão de trabalhar em prol da saúde, permitindo o acesso de milhares de brasileiros a medicamentos de ponta.

Pionerismo Medicamentos Biológicos