Loading...

Para os milhares de pacientes brasileiros que utilizam diariamente pomadas à base do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) colagenase, é difícil imaginar toda a ciência que há por trás de algo que parece tão simples.

A pomada produzida a partir do IFA colagenase, proporciona tratamento indolor para queimaduras, escaras e úlceras. A medicação é produzida a partir de uma enzima excretada por uma bactéria anaeróbica (que vive em ambiente sem oxigênio) conhecida como Clostridium histolyticum, que pode ser encontrada em amostras de determinados tipos de solo.


Independência de importados


Embora essa pomada seja utilizada de forma intensiva em hospitais e por pacientes de todo o país, até pouco tempo atrás o Brasil era obrigado a importar o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) Biológico colagenase dos poucos laboratórios que o produziam no exterior.

Além de tornar o país dependente de um medicamento essencial, a importação encarecia os custos, reduzindo o acesso dos pacientes. A novidade foi apresentada mundialmente pelo Cristália durante a BIO International Convention 2016, importante feira e conferência mundial na área de Biotecnologia, realizada em São Francisco (EUA).



Conquista de certificação


Em 30 de outubro de 2014, o Laboratório Cristália conquistou o CBPF (Certificado de Boas Práticas de Fabricação) para Insumos Farmacêuticos Ativos Biológicos, concedido à Planta de Biotecnologia Anaeróbicos, instalada no Complexo Industrial de Itapira (SP).

Nessa planta é produzido o IFA colagenase, desenvolvido verticalmente pelo laboratório com pesquisa científica 100% brasileira.


Animal-free


Com intenso investimento em pesquisa e desenvolvimento, os cientistas do Cristália conseguiram não apenas produzir o IFA, mas criaram um insumo de forma ainda mais segura.

A partir de amostras coletadas em uma propriedade rural localizada em Espírito Santo do Pinhal, no interior de São Paulo, foi criada a colagenase animal-free que, ao contrário do IFA comum, não utiliza apenas extratos vegetais em sua produção.

As pesquisas do Cristália que deram origem a essa verdadeira revolução na Biotecnologia foram avaliadas e aprovados pelo CGEN (Conselho de Gestão do Patrimônio Genético) para exploração comercial, em consonância com a legislação nacional de acesso à biodiversidade.